terça-feira, 9 de outubro de 2012

O PS destruidor de Portugal e a encenação para entalar Cavaco Silva

Cavaco Silva foi entalado pela Maçonaria afecta ao PS,  na questão da bandeira.
 
Cavaco Silva nem se apercebeu do facto de a bandeira portuguesa ter sido hasteada ao contrário.
 
Não se apercebeu porque nem terá sequer alguma vez pensado que seria possível.
 
Mas o PS e a Maçonaria quiseram  criar um "facto político".
 
Claro que Cavaco Silva e a Presidente da Assembleia da República se estivessem atentos teriam visto a inconcebivel situação de ser hasteada a bandeira nacional portuguesa ao contrário, em sinal de rendição.
 
O Presidente da Câmara Municipal de Lisboa vem agora "assumir" a responsabilidade face à  situação criada.
 
Bom, a maçonaria fez agora a Cavaco Silva o que foi feito com o caso da escutas telefónicas.
 
Essa gente do PS está a perder os tachos, entalada pela assinatura do Memorando e tenta tudo.
 
Os portugueses devem estar atentos, pois o PS é o grande culpado da situação que vivemos, sendo o PSD/Passos Coelho e o CDS os que agora estão ao leme e a serem bombardeados pela revolta do Povo.
 
Pois bem, a culpa é do PS e da sua governação.
 
Não foi por acaso que António Guterres fugiu do "Pântano".
 
E não é por acaso que todas as intervenções externas foram feitas por governos do PS, com Mário Soares e depois com Sócrates.
 
Creio que estamos a um passo da guerra civil, como já houve em Portugal.

1 comentário:

  1. Do que é que se está à espera ?



    É verdade.

    De vez em quando vai-se aflorando esta história mas nunca houve um interesse genuíno em se tirarem ilações daquilo que se passou.

    A verdade é que a Islândia triplicará seu crescimento em 2012 após a prisão de políticos e banqueiros.

    Não percebemos do que é que se está à espera para se fazer aqui a mesma coisa.

    Não existe outra forma de sairmos do buraco que cada vez se afunda mais.

    Vejamos;

    A Islândia conseguiu acabar com um governo corrupto e parasita, prendeu os responsáveis pela crise financeira e mandou-os para a prisão.

    Redigiram uma nova constituição e hoje, graças à mobilização geral, é um dos países mais prósperos de um ocidente submetido a uma tenaz crise de dívida.

    Foi a cidadania islandesa que se impôs.

    A revolta de 2008 foi silenciada na Europa por temor a que muitos percebessem que é extremamente fácil substituir governos corruptos e incapazes de responderem aos anseios e necessidades das populações.

    Mas conseguiram graças à força de toda uma nação e o que começou por ser uma crise rapidamente se transformou numa oportunidade.

    Uma oportunidade que os movimentos altermundistas observaram com atenção e a colocaram como modelo realista a seguir.

    Consideramos que a história da Islândia é uma das melhores noticias dos tempos actuais. Sobretudo depois de saber que segundo as previsões da Comissão Europeia, este país do norte atlântico, fechou 2011 com um crescimento de 2,1% e que em 2012, este crescimento será de 1,5%, uma cifra que supera o triplo dos países da zona euro.

    A tendência ao crescimento aumentará inclusive em 2013, quando está previsto que alcance 2,7%.

    Alguns analistas asseveram que a economia islandesa apresenta alguns sintomas de desequilíbrio e que a incerteza ainda está presente nos mercados.

    Porém, voltou a gerar emprego e a dívida pública foi diminuindo de forma palpável.

    Este pequeno país do periférico árctico recusou resgatar os bancos. Deixou-os cair e aplicou a justiça sobre aqueles que tinham provocado os problemas financeiros.

    Os matizes da história islandesa dos últimos anos são múltiplos. Apesar de transcender parte dos resultados que todo o movimento social conseguiu, pouco foi falado do esforço que este povo realizou, do limite que alcançaram com a crise e das múltiplas batalhas que ainda estão por se resolver.

    Porém, o que é digno de menção é a história que fala de um povo capaz de começar a escrever o seu próprio futuro sem ficar a mercê do que se decida em despachos distantes da realidade local.

    A revolta islandesa não causou outras vítimas para lá dos políticos e dos homens de finanças implicados no descalabro a que tinha chegado o País.

    Não derramou nenhuma gota de sangue.

    Não houve a tão famosa "Primavera Árabe".

    Nem sequer teve, nem tem tido rastro mediático, pois exemplos destes não interessam nada ao "satus quo" vigente.

    Mesmo assim conseguiram os seus objectivos de forma limpa e exemplar.




    Cabe-nos a nós aplicar aqui a mesma receita.

    ResponderEliminar