terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Requisição Civil dos Maquinistas da C.P.

A greve dos maquinistas da CP não tem sentido.
O Governo deve impor a requisição civil.
Portugal vive momentos de enormes dificuldades, pelo que não é aceitável a greve da CP. Que é ilegal pois os objectivos são contra Direito.
A CP é uma empresa falida.
Cada português tem de pagar muito dinheiro para a manter e para pagar aos maquinistas, que têm salários chorudos, muito acima da maioria dos portugueses.
Não podem os portugueses estar sujeitos aos caprichos dos maquinistas.
Pelo que o Governo deve usar a requisição civil, como Espanha usou a requisição civil para obrigar os controladores aéreos a trabalhar.
Assim, o Governo deve pôr os maquinistas sob comando militar e prender e julgar de imediato os que violarem a requisição civil.
 
 
 

8 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Sr. Dr. JMM, sobre este tema e ainda hoje em conversa com um amigo disse precisamente, isso que acaba de escrever, o governo já deveria ter ordenado a requisição civil. Neste contexto a greve que é um direito dos trabalhadores quando exercida de pleno direito, o que no presente caso não me parece ser. Quando o motivo que evocam é ilegal. Os trabalhadores estão a fazer greve para pressionarem o governo a anular os processos, que foram levantados a trabalhadores, que não cumpriram uma ordem legal de cumprirem os serviços mínimos a que estavam por lei obrigados. Sendo assim estão a valer-se do espirito de corpo para exercerem pressão, o que quer dizer, que quando lhes apetecer, fazem greve por dá cá aquela palha e o governo só tem é de ceder, pois têm força para parar o país, isto no meu ver não é mais que uma demonstração de força dos sindicatos.
    Com os meus cumprimentos.
    FMqs.

    ResponderEliminar
  3. Pecar por desconhecimento é uma coisa, outra completamente diferente é fazê-lo por ignorância. Começo pela requisição civil. O conselho de gerência da CP è contra, Porquê? Porque cada dia de greve, é uma fonte de lucro para a empresa. Não tinham feito contas ainda? Então vejamos: Nestes dias de greve a CP não pagou os salários nem prémios nem subsidios desses dias, não gastou energia, a receita dos passes estava em caixa, não tem qualquer tipo de despesa em termos de manutenção de máquinas ou outras, ou seja... lucrou. Enganem-se os tolos quando se diz que a CP está falida. E a frota automóvel renovada no mês de Novembro, para todos os quadros superiores e conselho de gerência? E os aumentos destes mesmos Srs. entre os 3 e os 6 mil euros? E as viagens para o estrangeiro com alojamentos abonadas na totalidade? E as empresas criadas para laborarem dentro da CP registadas em nome de familiares de Srs. de lá de dentro? Um ex: a CP paga a uma empresa só para limpar os grafitis dos comboios!E eu poderia ir muito mais além! E perante isto, estão vocês incomodados com os ordenados chorudos dos maquinistas, que são uma verdadeira fortuna: entre os 1.020 e os 1.300 euros.Dentro da Comunidade Europeia são os mais mal pagos. Pagam dias de trabalho que muitas vezes excedem as 11 h de serviço, que incluem funções de mecânica (muitas das vezes são os próprios maquinistas que têm de reparar as avarias dos comboios), pagam noites de permanência dentro dos comboios em locais ermos e perigosos por falta de instalações, pagam natais a trabalhar para todos os outros poderem estar em familia em detrimento da sua, pagam férias apenas tiradas à mercê da vontade das chefias,pagam horas seguidas a trabalhar sem terem uma pausa decente para a refeição ou mesmo para irem à casa de banho, pagam ofensas e agressões físicas e verbais por parte dos utentes, pagam pressões, chantagens e o desrespeito por parte do conselho de gerência.
    Os maquinistas não têm caprichos.Os maquinistas tem deveres, obrigações, responsabilidades e familias para sustentar. Não se podem dar ao luxo de ter caprichos. Os maquinistas são os responsáveis por a CP ainda existir. Por vontade de muitos, já teria fechado. Ou não sabem que este Sr. Presidente foi para lá com o intuito de a desmembrar.Lembram-se da Rodoviária? Foi este Sr. que acabou com a empresa e deixou os trabalhadores em situação de miséria.Mas a nossa memória é curta.Além disso, os trabalhadores da CP se quisessem usar a greve sempre que lhes apetecesse, já teriam feito por ex., para reenvindicar os mesmos direitos da função pública. Porque em tempo de austeridade, são considerados funcionários públicos. Sofrerão todos os cortes como os demais, embora desde há uns seis meses atrás, que já se têm verificado cortes, porque a nível de escalas estão a ser feitas alterações no sentido de cada mês que passa, receberem menos. Os outros funcionários públicos não se queixam disso.Em tempo de "vacas gordas", tudo aquilo que é cedido pelo governo à função pública, nomeadamente aumentos, tolerâncias, dias de férias, subsidios, etc... até o regime de saúde, os maquinistas descontam para o SNS e não para a ADSE, porque neste caso não são da função pública.
    Pois é meus Srs., antes de falarem informem-se para não fazerem más figuras.
    Ah... comando militar... para os maquinistas? Essa fez-me rir... Nunca houve um único maquinista que tivesse algum dia desrespeitado a requisição civil, emitida pelo Tribunal. Houve sim, situações forçadas por parte das chefias, como os casos destes processos agora falados, de exigir que os maquinistas numa greve dos revisores, os substituissem.Revoltem-se contra o governo que vos rouba, não contra os que trabalham convosco.

    ResponderEliminar
  4. Caro amigo Aisha.
    Podemos pecar por ignorância, ou desconhecimento, mas uma coisa e certa e os passageiros, quem se preocupa, com os seus direitos, com os seus prejuízos?
    Pode ter razão naquilo que invoca, para isso se fez a lei laboral e a greve é um recurso legítimo dos trabalhadores e deve ser usada quando se sentem, prejudicados nos seus direitos.
    O que no presente caso não é verdade, não venha para aqui com a sua retorica, justificar o injustificável, e atirar com areia nos nossos olhos com o fim de nos confundir, que não consegue, essa música já eu oiço e conheço bem, mas infelizmente muitos dos nossos trabalhadores ainda não se aperceberam que estão a ser manipulados por determinado tipo de sindicalistas, que não defendem capazmente, os legítimos direitos.

    ResponderEliminar
  5. Com que então é assim que o Sr. se diz democrata e defensor do povo, pois tal e qual como os politicos, quem é do contra abafasse....
    Já nem sei em quem acreditar, provavelmente numa monarquia......
    O que não nos mata fortaleçe-nos.........
    Um abraço.....

    ResponderEliminar