segunda-feira, 23 de agosto de 2010

O "cordeiro" Lobo Antunes desancado pelo general Chito Rodrigues - Presidente da Liga dos Combatentes

Sinceramente eu decidira  que perder tempo com a asneira de Lobo Antunes seria inadequado.
Lobo Antunes  imputou aos militares portugueses na Guerra de Angola  comportamentos indecorosos.
Os militares seriam sanguinarios e cobardes.
Sanguinarios porque matavam por prazer e cobardes porque queriam "acumular pontos" por cada morte, para se rasparem para zonas mais calmas.
Lobo Antunes defende-se do coro de criticas  dizendo que era  obra  de literatura, o que  parece ser desmentido pelo tipo "entrevista".
Apanhado com as calças a meio das pernas, Lobo Antunes fez-me lembrar um individuo que escrevia nos jornais que as vitiams eram "bandidos da pior especie", mas quando lhe perguntei em tribunal se os conhecia, indicando nome a nome , cerca  de 30, disse que era ficçao!
Fica aqui a Carta Aberta a Lobo Antunes, da autoria do General Chito Rodrigues - que retirei do jornal Diario de Noticias,  uma vez que se afigura superior e contundente.
Veja-se aqui: Carta Aberta a António Lobo Antunes:



"Ao longo dos anos fomos formando uma ideia do médico, função que exerceu em campanha, depois cidadão escritor António Lobo Antunes.


Mais Memoria de Elefante menos Memória de Elefante mais Cu de Judas menos Cu de Judas, o livro que nos tocou não foi seu, foi de suas filhas e transcreve as cartas que escreveu a sua mulher, algures das terras do fim do Mundo, em Angola, onde uma guerra marcava a sua juventude.


As cartas são dignas e escritas com honestidade, por um jovem médico que não pelo escritor António Lobo Antunes, de hoje, em que a idade vai pesando, e os factos da juventude vão surgindo menos claros, romanceados e ficcionados.


A leitura daquele livro levou-nos a convidar o reconhecido escritor para proferir a oração que anualmente uma distinta figura do nosso tempo faz na sala do capítulo no Mosteiro da Batalha, no dia do Combatente, a 9 de Abril-


Após conversa pessoal onde foi possível auscultar a sua admiração por diversos militares que ao longo da sua vida consigo conviveram e transmitida a finalidade da intervenção, o convite foi aceite. O discurso na sala do capítulo em Abril de 2007 foi proferido por António Lobo Antunes.


Foi uma intervenção oral, não escrita, à altura de uma grande figura da literatura portuguesa.


Depois de lermos afirmações suas, referentes ao comportamento dos portugueses em África, colocámos esta sua frase no site da Liga dos Combatentes: - “na guerra é necessária muita coragem e essa os soldados portugueses tinham”


Fomos entretanto recentemente surpreendidos por envio de e-mails e comentários altamente negativos, por parte de combatentes idóneos, referentes a eventuais declarações suas, proferidas em entrevista publicada, que se não coadunam com a imagem que entretanto fomos formando acerca de como encarou a situação de guerra vivida.


As reacções de combatentes a essas afirmações são inúmeras, na internet e não só, exigindo -lhe que se retrate.


Conhecedor do ambiente operacional em Angola, o que lemos deixou-nos surpreso e incrédulo.


Terá afirmado segundo o entrevistador:

“«Eu tinha talento para matar e para morrer. No meu batalhão éramos seiscentos militares e tivemos cento e cinquenta baixas. Era uma violência indescritível para meninos de vinte e um, vinte e dois ou vinte e três anos que matavam e depois choravam pela gente que morrera. Eu estava numa zona onde havia muitos combates e para poder mudar para uma região mais calma tinha de acumular pontos. Uma arma apreendida ao inimigo valia uns pontos, um prisioneiro ou um inimigo morto outros tantos pontos. E para podermos mudar, fazíamos de tudo, matar crianças, mulheres, homens. Tudo contava, e como quando estavam mortos valiam mais pontos, então não fazíamos prisioneiros».


(O sublinhado é nosso)


A um médico nunca ninguém pediu ou ordenou que tivesse talento matar ou para morrer, Deram-lhe sim a missão que exigia de si, talento para salvar vidas. Dos seus homens ou do inimigo


Afirma que o seu batalhão teve cento e cinquenta baixas. O seu batalhão esteve numa zona operacional mas de confrontos esporádicos com o inimigo, Mesmo em zonas de actividade mais intensa do inimigo, não temos conhecimento que algum batalhão em Angola tivesse tido esse número de baixas, mesmo considerando o significado que tal palavra normalmente encerra: mortos, mais feridos, mais evacuados por doença.


A não ser que por baixas, entenda o número de consultas que deu…


“Matavam e depois choravam a gente que morrera”


Senhor Doutor António Lobo Antunes, o senhor viu algum dos soldados do seu Batalhão matar alguém?


Viu alguém chorar por ter morto alguém?


Um dia escrevi sobre o inimigo: “ O inimigo não se vê, sempre que pode atira”. E nós atirávamos geralmente sobre um inimigo que não se via!...


Em combate morre-se de ambos os lados! A maior parte das vezes. em guerra de guerrilhas,, sem saber bem como.


Choraram certamente os camaradas que caíram a seu lado. Mas felizmente não tantos como o senhor afirma terem caído no seu batalhão.


Seguidamente as afirmações são insultuosas, completamente fora te todo o conceito estratégico e filosofia humanista com que se tentou fazer a guerra, durante os treze anos que durou.


Deixa, para além disso, bem mal colocados os militares que serviram com dedicação e espírito de sacrifício, a missão que lhes foi atribuída, quer no seu Batalhão, quer no resto de Angola, entre eles o seu amigo Melo Antunes.


De facto, afirmar que “ para mudar para uma região mais calma tinha de acumular pontos” e “para mudar fazíamos de tudo, matar crianças, mulheres e homens” ou “ mortos valiam mais pontos, então não fazíamos prisioneiros”, embora use a primeira pessoa do plural, é ter estado sempre, como acontece a qualquer elemento do serviço de saúde, fora da conduta da guerra.


Para quem esteve em Angola, na guerra, estas expressões ofendem


Nunca, em Angola, nenhum Batalhão mudou de situação, quer para situações mais calmas quer para situações mais difíceis, como as de reserva de comandos superiores, com base em tais critérios, nem nunca ninguém matou na guerra em Angola, com essa finalidade.


Afirmar “Matar para fazer mais pontos e por isso não fazer prisioneiros”, é maquiavélico, ficção ou necessidade de apoios de sectores de si afastados, ou de conquista de alguém ou de alguma coisa ainda não conquistada.


O senhor, nos seus livros e entrevistas é forte, real e chocante. Revela humanidade, sensibilidade e espírito profundo.


Não necessita de usar formas deturpadoras de uma realidade que o senhor sabe não ter vivido, agredindo a memória dos mortos em tal guerra e a memória dos vivos que conheceram a guerra certamente melhor que o senhor e reprovam, negam e repudiam afirmações como as que foram apresentadas.


Mesmo a ficção é ridícula e perigosa, quando usa desta forma uma hipotética realidade que acaba por se transformar em realidade histórica face à força de quem a usa. A frontalidade e o chocante acabam por apoiar-se em pés de barro que não conduzem o utilizador de tais formas a bom porto.


Em 21 de Agosto de 2010, vimos com curiosidade anunciadas umas férias em Tomar, por parte de António Lobo Antunes onde abordaria o tema “as minhas memórias de jovem militar”


Ficámos expectantes e pensando que tal entrevista seria um esclarecimento das afirmações acima referidas.


Curiosos, a 22 de Agosto consultámos o site da Lusa e verificámos que a sessão se não tinha realizado por ausência de ALA, alegando falta de condições de segurança.


Em declarações posteriores esclareceu que não teria sido aquela a finalidade da ida a Tomar, nem esta a razão da não presença.


Segundo declarações recentes, as afirmações da entrevista, no livro publicado, terão sido mal interpretadas. Considerando que é no meio dos combatentes que deveria esclarecer o que terá dito ou escrito, venho junto de Vª Exª sugerir duas coisas:


1. Que nos faça chegar a síntese escrita da sua intervenção, no Dia do Combatente, no ano de 2007, na Batalha, conforme prometido.


2. Que utilize o espaço da nossa revista ou do nosso dite, para esclarecer, confirmar, negar ou dar a sua interpretação sobre as afirmações que terá produzido na referida entrevista e, se assim o desejar, expressar mesmo as suas “memórias de jovem militar”


Convencidos de que assim contribuímos para o esclarecimento de uma situação que consideramos grave, criada por Vª Ex^, no seio dos combatentes que dela tiveram conhecimento, subscrevemo-nos atenciosamente


O Presidente da Liga dos Combatentes


Gen Joaquim Chito Rodrigues".


NOTA FINAL:
Os comentarios a este post nao serao publicados, sejam de que tipo forem. Trata-se de um post para divulgaçao da carta do General Chito Rodrigues , sendo que os combatentes nos merecem todo o respeito, e alem dos mais  tive um irmao na guerra em Angola .

ADENDA:

Caros amigos: os comentarios nao sao publicados para evitar problemas, pois eu estou indignado com Lobo Antunes e muita gente esta ,pelos que a publicaçao de comentarios seria um "bombardeamento" que levaria a excessos, e retiraria dignidade ao post e parece-me melhor assim.
Sei que compreendem, porque sao pessoas bem formadas e portugueses honrados.
Nota final: os acentos nao saiem por problemas no meu sistema informatico.

Honra aos nossos militares!






2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Debates, Entrevistas, Discussão, Conversação, EM TEMPO REAL

    Cria a conta do teu blog no Twitter Glorioso e marca hora com os seus leitores

    http://twitter.gloriosasfera.com/

    ResponderEliminar